terça-feira, 4 de dezembro de 2012

O anarquista e o existencialista


Em algum lugar no mundo da minha imaginação viviam duas personalidades que não gostavam muito uma da outra. Eu gostava muito das duas, mas elas por nada nesse mundo conseguiam se aceitar e viver juntas. Então foi que decidi fazer eu mesmo um encontro entre elas aqui nessa folha de papel para ver no que que dava. E assim foi.

A - Ah, você outra vez por aqui seu conservador maldito. Não consigo mudar nada nesse lugar por sua causa. Você sempre vem com o seu blá blá blá chato querendo me mostrar o porque de minha insatisfação. Me deixe em paz, seu louco.

E - E a culpa é minha de você ser tão cego de si mesmo? Eu estou aqui querendo o seu bem. Querendo a sua iluminação. Por isso chamo atenção sempre pra dentro de você. Você quer mudar o mundo pois está insatisfeito consigo mesmo.

A - Louco! Você me esmaga. Eu sei que não sou um ser perfeito, um iluminado. Que tenho neuroses, que sou fraco. Mas caramba! Você não me ajuda nada mantendo vivas do lado de fora toda essa sujeira. Há que derrubar esse estado com essas leis inflexivéis que não vieram de nenhum de nós. Enxergue você seu maníaco o que está a seu redor. Pare de justificar o injustificável. Chega de tirania por aqui. Vamos ser livres!

E - Mas livre de que? Vá lá, mate o rei. E depois? Quem você eligirá no lugar dele para simbolizar o tirano dentro de você.

A - Me deixe em paz alma diabólica. Quero matar o rei e qualquer um que tome o seu lugar. Não nego que possa haver um tirano escondido dentro de mim. Mas sei que se há algum, também quero matá-lo. Em qualquer lugar que houver um tirano, alguém se opondo a minha liberdade, hei de lutar contra ele.

E - Mate-o dentro de si que ele desaparecerá do lado de fora. Ele estará lá, mas você não o notará e ele não terá efeito nenhum em você.

A - Vem cá, você é Deus agora? De onde você tira essas ideias? Quem disse que ele morrerá se eu matá-lo dentro de mim? E porque não simplesmente matá-lo do lado de fora e vê-lo morrer dentro?

E - Menino, eu observo o mundo, eu observo as pessoas. Eu entendo de sua frustração, de sua sede de liberdade. Mas ela não será satisfeita apenas mudando o lado de fora.

A - Você não respondeu as minhas perguntas. Não estou dizendo que encontrarei a iluminação matando o rei do lado de fora. Só estou dizendo que sem ele destroçando a vida de todos nós, nós poderíamos viver uma vida com muito mais liberdade, amor e alegria. Não nego a importância da mudança interior. Apenas digo que prefiro fazer minha revolução do lado de dentro vivendo um outro tipo de vida. Inclusive não acha você que ao destronarmos o rei seremos muito mais livres, inclusive para nos mudarmos?

E - Confesso que você não é tão imaturo quanto eu te julgava.

A - Você consegue escutar esse coração que pulsa dentro de mim. Você escuta isso?

E - Confesso que não entendo muito sobre o coração.

A - O que houve com você?

E - Eu não sei amar. Eu não consigo amar.

A - Há alma dentro de você caro amigo de outro mundo. Eu sinto sua alma.

E - O que você quer dizer com isso?

A - Você sofre por ter perdido o coração. E por isso você quer impedir a todo o tempo que as pessoas façam suas revoluções. Pois elas fazem isso por amor, e você faz a sua busca interior por falta de amor. Você está apenas em busca de seu coração. Quando se tem coração, a mudança vem por si só em todos os lados. Dentro e fora.

E - Você fala bonito meu jovem valente. Mas porque você disse que eu tenho alma.

A - Não sei. Eu não entendo bem essas coisas. Meu coração bate forte dentro de mim, porém existe uma leveza que sinto em você que ainda não encontrei. Essa sua leveza eu chamo de alma. Acho que talvez isso falte em mim.

E - Caro amigo, eu entendo o que você fala. Eu sinto o que você fala. Sinto o seu amor. Eu o julguei estúpido por sua juventude e espontaneidade. Mas agora vejo que isso no fundo era apenas fruto de um coração belo e nobre. E que estúpidos sempre foram os meus julgamentos. Usava o discurso da reforma interior apenas para criar culpa em você. Não que ela não seja importante. Mas eu usava algo importante como ferramenta para criar culpa e apatia. Assim talvez você ficasse cabisbaixo, sem graça e sem vida assim como eu.

A - Não precisa fazer contigo o que você até agora fazia comigo, caro amigo. Nós estamos juntos nessas terras. E eu não quero fazer a minha revolução sem você. Você tem alma. Existe beleza em sua leveza. Levante essa cabeça, sábio camarada. Venha. Faremos juntos a nossa festa. Existem outros que estão a nossa espera.

E - Festa? Tenho eu o direito de celebrar alguma coisa? Eu não faço nada além de colocar dúvidas na cabeça dos outros, além de faze-los desistirem de seus sonhos.

A - Não, meu caro poeta. Há muito em você que você ainda não conhece. Houve muita confusão dentro de você. E ainda há. Mas como eu disse, eu sinto uma alma boa dentro de você. Eu sou jovem. Tenho força e vigor. E por isso a minha bondade vem ao mundo por esses caminhos. Mas no seu caso é diferente. A sua bondade vem por outros meios. E ela está vindo. Ela sempre veio. Eu não sei bem explicar pois no fundo também não entendo. Ainda sou jovem demais para entender o que vejo em você. Mas agora que vejo isso, não posso deixá-lo simplesmente por aí. Você não será apenas um convidado camarada para nossa festa. Mas sim um convidado de honra. Há muito em você que todos nós precisamos descobrir ainda. Precisamos de você.

E - Eu gosto muito de você meu caro amigo. Desculpe por tê-lo atrapalhado por tanto tempo.

A - Não precisa disso velho amigo. Quem sabe no fundo não havia também uma razão para isso tudo. Ou mesmo que não houvesse. Hoje o dia é outro. Eu sou outro e você é outro.

E - E contra o que lutaremos?

A - Lutaremos pelo amor e pela liberdade. Por um mundo mais humano. Apenas sonhamos em ser humanos.

E - E como faremos isso?

A - Juntos!

Foi quando um grande sorriso surgiu no rosto do existencialista. Ele passava tardes e tardes em suas meditações tentando chegar ao centro de si mesmo. Buscava a sabedoria de si mesmo. Mas até aquele dia ele não havia sorrido nenhuma vez fazendo isso. Ao ver um jovem de coração bom que chegou perto dele ele pôde também encontrar um pouco de amor dentro de si. E assim percebeu que sentir amor é uma mudança existencial muito grande. Ele havia sido finalmente aceito por alguém. Ele havia sido aceito como ele é. E isso também muda tudo. Você pensa então que ele se arrependeu de suas meditações? Claro que não. Havia muita bagunça em sua alma anteriormente. Ele pode até nem ter percebido direito o que aconteceu. Mas foram suas meditações sobre si e sobre a vida que abriram espaço para que o amor surgisse novamente. O seu coração ainda não está completamente de volta. Mas já está voltando. Está a caminho. E sua alma cresceu. Sua bondade em breve será não apenas na emoção, mas será também existencial. E o anarquista? Ele aprenderá muito ainda com o sábio mestre que acaba de chegar. E em algum lugar de seu coração ele já sabe disso. Uma grade amizade está a caminho. Ainda é muito cedo para ver os frutos que virão. Mas a amizade está a caminho. E o tempo mostrará o que está para vir. E quer saber? No fundo eu gosto muito da história dos dois. São dois jovens caminhando para um lugar que não sabem qual é. Mas caminham pois seguem seus corações e suas almas. E ainda quero com os dois muito aprender. E também desfrutar de suas companhias e de suas viagens. 


2 comentários:

John Mello disse...

Excelente!!! Gostei bastante!!!
Eu ouço essas mesmas "vozes" na minha cabeça, rsrsrsr...

John Mello disse...
Este comentário foi removido pelo autor.